Não há um mundo seguro sem ciência

TEXTO: LUIZ CARLOS DIAS | DIVULGAÇÃO: REVISTAq – a Revista do CNPq

Luiz Carlos Dias Professor titular da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Membro titular da Academia Brasileira de Ciências (ABC). Membro titular da Academia de Ciências do Estado de São Paulo (Aciesp). Bolsista de Produtividade 1A do CNPq.

A ciência é a contínua busca pelo conhecimento, pela verdade. A ciência melhora a nossa qualidade de vida, aumenta nossa expectativa de vida e é fundamental em nossa luta contra o negacionismo científico, o obscurantismo, as pseudociências e o charlatanismo. Nós precisamos da ciência para produção de conhecimentos robustos, auxiliando as políticas públicas na área de saúde, que devem ser baseadas em evidências científicas sólidas e não em opiniões pessoais, achismos e oportunismo político.

A pandemia da covid-19 trouxe a ciência para mais perto do cotidiano do cidadão, que está percebendo a importância das instituições públicas de ensino, pesquisa e extensão para o desenvolvimento do país. A universidade brasileira desempenha um papel essencial para a solução dessa crise complexa e o objetivo deste texto é valorizar os institutos de pesquisas e a universidade pública brasileira para o desenvolvimento do país, para a proteção e segurança do povo brasileiro e para a soberania nacional. O enfrentamento de uma crise sanitária complexa como essa requer um posicionamento especializado e bem-informado de cientistas sobre a dinâmica de transmissão da doença e a ciência é absolutamente fundamental para que possamos encontrar uma saída.

 

Contribuições de institutos de pesquisas e universidades públicas brasileiras no combate à covid-19

A percepção pública da ciência está crescendo e os pesquisadores, professores, cientistas e colegas divulgadores de ciência têm um papel fundamental para proteger a sociedade. O mundo está se voltando para as universidades e institutos de pesquisas e quem está sendo procurado neste momento não é quem nega a ciência, não são os pseudocientistas e os negacionistas, apesar destes continuarem atentos e de plantão; quem está sendo procurado agora são os cientistas, os pesquisadores sérios de todas as áreas do conhecimento.

Todas as ciências, humanas, exatas e sociais, precisam ser igualmente valorizadas, não perseguidas por vozes dissonantes e negacionistas. É fundamental lembrar que cientista não é só quem está nos laboratórios trabalhando com um vírus, com medicamentos ou vacinas. Sociólogos, antropólogos, cientistas políticos, especialistas em relações internacionais, historiadores, filósofos, linguistas, psicólogos, psiquiatras, engenheiros, nutricionistas, ambientalistas, pedagogos, obstetras, fisioterapeutas, patologistas, intensivistas, farmacêuticos, profissionais de educação física, profissionais da área de saúde, imunologistas, virologistas, infectologistas, químicos, bioquímicos, biólogos, físicos, parasitologistas, geógrafos, médicos, biomédicos, economistas, microbiologistas, geólogos, matemáticos etc., todos estão desempenhando um papel fundamental nesse momento.

A situação se impôs, mas nós continuamos dando aulas, não paramos, estamos mantendo nossas atividades didáticas em nível de graduação e de pós-graduação de forma remota, pois temos responsabilidade com a sociedade e com as futuras gerações. Estamos trabalhando muito em home office, nos adaptando às inúmeras atividades emergenciais remotas, mantendo e respeitando as medidas de distanciamento físico para minimizar o espalhamento do vírus. São muitas as ações que, como verdadeiros cidadãos brasileiros, nos deixam orgulhosos e com aquela sensação contagiante de ver como as nossas universidades e instituições públicas de ensino e pesquisas estão ajudando a população brasileira no combate à pandemia. Que sorte tem o povo brasileiro de contar com este exército do bem.

As universidades públicas e a comunidade científica brasileira estão participando ativamente de vários fóruns nacionais e internacionais para definir medidas adequadas para combater e controlar a pandemia. São inúmeras as atividades de desenvolvimento de pesquisas de alto nível e soluções inovadoras no combate ao novo coronavírus. São muitas as redes de solidariedade criadas por universidades envolvendo estudantes, professores, servidores, pesquisadores, técnicos, bolsistas e voluntários em campanhas de captação de alimentos, roupas, artigos de higiene e limpeza, para distribuição para as populações mais carentes. Cientistas e pesquisadores do país inteiro estão compartilhando dados de virologia e de epidemiologia, além de resultados de pesquisas e informações cuidadosamente preparadas

Muitas das universidades brasileiras criaram canais de atendimento com o objetivo de prestar esclarecimentos sobre os procedimentos a serem adotados no combate ao SARS-CoV-2. É impressionante o volume de conhecimento que vem sendo compartilhado e tornado disponível para a população brasileira, com orientações diversas sobre cuidados com alimentação, sobre uso de máscaras e protetores faciais, sobre as atividades físicas, exercícios de relaxamento, sobre como proceder nos casos de confirmação da infecção por algum familiar. São inúmeras as ações de produção de insumos, máscaras e EPIs para os profissionais da área de saúde, respiradores mecânicos, aventais, ventiladores pulmonares, álcool-gel, álcool glicerinado, antissépticos para superfícies e ambientes, envolvendo longas jornadas de trabalho nos laboratórios.

Algumas instituições de ensino superior usaram impressoras 3D para a produção de peças de produtos médicos hospitalares, protetores faciais e válvulas para respiradores. São inúmeras as plataformas criadas nas universidades para esclarecer a população sobre as mentiras espalhadas com relação à covid-19. Vemos os cientistas na mídia esclarecendo a população, alertando sobre o perigo na disseminação das fake news nesse cenário tão complexo. Temos a participação de muitos cientistas brasileiros em comissões de combate ao novo coronavírus, utilizando inteligência artificial para prever curvas de crescimento e aceleração da covid-19 no país, criando modelos para prever a projeção de casos, contendo dados de geolocalização.

Nas universidades e institutos de pesquisa, houve uma atividade muito intensa na criação de testes rápidos para detectar a presença do SARS-CoV-2, em estudos sobre a transmissão do vírus pela gravidez e sobre alterações de olfato e paladar nas pessoas infectadas. Várias universidades brasileiras estão investigando os efeitos da

pandemia na sociedade e nas condições de vida, avaliando o impacto do distanciamento social, das novas formas de trabalho remoto e realizando mapeamento sobre a mobilidade das pessoas em veículos, incluindo transporte público. Há grupos investigando os impactos da pandemia na geração de renda em populações vulneráveis, nas estratégias de segurança no trabalho e os efeitos psicológicos da pandemia. Muitos pesquisadores dessas instituições públicas também estão realizando o monitoramento da saúde mental de profissionais da saúde, que estão na linha de frente do combate à covid-19.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em parceria com a Universidade de Oxford e com o laboratório AstraZeneca, assim como o Instituto Butantan, em colaboração com a farmacêutica chinesa Sinovac Biotec, que são duas instituições públicas de ciência e tecnologia brasileiras centenárias na área da saúde, contribuem para a produção de vacinas no Brasil. As universidades e os institutos de pesquisas públicos são motivo de orgulho para todos os brasileiros.

 

Precisamos de ações qualificadas de divulgação científica

As pessoas não podem simplesmente negar a ciência, de acordo com seus interesses ou convicções pessoais. Ciência não é questão de opinião, mas sim de argumentos lógicos desenvolvidos com base em evidências. É nesse contexto que cresce a importância de uma divulgação científica de qualidade. No sentido de desmistificar a ciência, as atividades de divulgação científica e cultural desempenham um papel fundamental, ajudando a aproximar a sociedade da ciência e das descobertas científicas.

Pseudocientistas reivindicam seu status científico e usam seus valores de autoridade científica em processos de apropriação de discursos científicos, com o objetivo de propagar conteúdos falsos ou com uso enviesado de dados que, supostamente, confirmam seus argumentos. Entre as falsas narrativas, podemos incluir a crítica às medidas protetivas não farmacológicas, às vacinas, a defesa do kit covid para um suposto tratamento precoce e sobre a gravidade do vírus e da pandemia. Os negacionistas atacam as universidades, as instituições e órgãos públicos de pesquisa e produção de conhecimento, atacam a imprensa que não defende suas ideias, ofendem organizações internacionais que defendem a ciência, sempre com o objetivo de lançar descrédito, afirmando que são alvos de teorias conspiratórias. Notícias falsas afetam a ciência, o jornalismo sério e afetam muito as nossas vidas.

Nós precisamos que a população se identifique com os cientistas, precisamos trazer a sociedade para o nosso lado, mostrando que a ciência salva do obscurantismo e da escuridão. A população teve mais contato com ciência na pandemia e a sociedade precisa entender que a ciência avança numa velocidade mais lenta, que não é a velocidade que a sociedade quer. A população precisa entender que a ciência é que deve nos trazer respostas e que opiniões pessoais e questões políticas e ideológicas não podem ser mais importantes do que a ciência. Nós precisamos de pessoas lúcidas e corajosas para construir caminhos, trazer soluções e inspirar nossos jovens.

 

Por mais investimentos em ciência e educação

Fazer ciência nesse momento no Brasil é uma questão de resistência e as cientistas e os cientistas são sobreviventes. A atividade científica no Brasil vem sofrendo inúmeros cortes nos últimos anos, tanto nas verbas destinadas a financiamento das nossas atividades de pesquisas, nas bolsas de estudos para os nossos alunos, quanto na infraestrutura física e de equipamentos em nossos laboratórios.

A ciência feita no Brasil é de alto nível em todas as áreas e a população brasileira está percebendo a importância de nossas universidades e demais instituições públicas. A sociedade precisa entender que a ciência feita amanhã será consequência de planejamento e de investimento feito hoje, de longo prazo, tanto em infraestrutura como na formação de recursos humanos de alto nível, de uma geração de cientistas para lutar contra problemas complexos como essa pandemia. A universidade pública e o investimento na educação são necessidades fundamentais para desenvolver o Brasil. Nós precisamos valorizar nossas instituições públicas e defender a autonomia das universidades. Nós precisamos defender que a ciência não sofra interferência de governos, que seja um plano de Estado, mas hoje nós não temos a ciência nem como plano de Governo. A pandemia expôs a necessidade de reforçarmos o nosso sistema de ciência, tecnologia e inovação e precisamos desse sistema forte para transformar a ciência de qualidade produzida no Brasil em ações concretas, para que o país possa estar preparado para enfrentar desafios na área de saúde pública. Precisamos mostrar para a sociedade que as vacinas são seguras, que as pessoas precisam se vacinar, pois a vacinação deve ser um acordo coletivo, ou vai ficar muito difícil defender qualquer coisa com base na ciência daqui pra frente. Para que a ciência no Brasil tenha algum futuro, é fundamental manter a mobilização dos cientistas e das instituições públicas de ensino e pesquisa, no sentido de se preparar para combater outras pandemias ou problemas complexos.

Cientistas perceberam que trabalhos em parceria alcançam maior impacto e hoje ninguém faz ciência relevante, do ponto de vista social, sozinho. Podemos fazer bons trabalhos de caráter acadêmico, publicar em boas revistas, mas não ciência realmente relevante para a sociedade. Nós precisamos repensar nosso modelo e estimular os pesquisadores a produzirem mais conhecimento em prol da sociedade. Artigos científicos e capas de revistas servem para alimentar nossos egos, mas vejam o que a covid-19 está nos mostrando. Para o enfrentamento das futuras crises de saúde pública, de outras pandemias, precisaremos formar uma rede nacional integrada de enfrentamento a doenças, com pesquisadores de diferentes áreas do conhecimento e instituições públicas de ensino e pesquisa do país inteiro, usando a infraestrutura instalada e as qualidades e competências locais para trabalhar em colaboração, no sentido de oferecer soluções concretas. Nós temos locais de excelência, mas cada um fazendo um trabalho desconectado, sem integração, apesar de estar produzindo ciência básica de qualidade. Porém, precisamos da união de competências para resolver problemas reais.

Neste momento absolutamente sem precedentes na história moderna, o financiamento público é essencial. Precisamos de infraestrutura de ponta, de recursos para bolsas de pesquisas, para podermos formar a geração de pesquisadores do futuro, qualificando recursos humanos, estabelecendo conexões e parcerias internacionais relevantes. Para isto precisamos de um sistema de financiamento estável e contínuo. A universidade pública brasileira precisa de financiamento contínuo e de mais estabilidade para planejar suas ações, avançando na construção do conhecimento.

 

Ninguém estará seguro enquanto todos não estiverem seguros

É necessário exigir igualdade de acesso às vacinas para todas as populações vulneráveis em países de baixa renda, que não têm dinheiro para adquirir vacinas e tampouco infraestrutura para produzi-las. Precisamos garantir que as vacinas, essas ferramentas fantásticas de combate à covid-19, cheguem rapidamente a todas as populações excluídas. É uma questão de empatia, de responsabilidade social, para que essas populações tenham uma condição mais digna de enfrentar a pandemia, salvando milhões de vidas.

 

Conclusão

O Brasil vive uma crise sanitária, econômica, política e social. Estamos vivendo momentos de dúvidas e incertezas, mas a ciência deu uma resposta fantástica e as vacinas são o grande legado desta pandemia. As universidades e os institutos de pesquisas deram uma resposta extraordinária e desde o início da pandemia ajudaram as autoridades federais, estaduais e municipais a implementar várias medidas de saúde pública. Nesse momento em que vivemos uma infodemia de conteúdos falsos de inúmeras fontes, que contribuiu para a disseminação de medo e pânico, as universidades e a comunidade científica brasileira atuaram de forma concreta ao lado da população brasileira, oferecendo as melhores e mais confiáveis fontes de informação. A pandemia deixou evidente que somente cientistas altamente qualificados podem realmente lidar com a pandemia e suas terríveis consequências econômicas, políticas, lutando contra a disseminação do vírus das fake news e defendendo a adoção de políticas de saúde pública, baseadas na ciência.

Referência

DIAS, L. C. Os institutos de pesquisas e universidades públicas brasileiras no enfrentamento à covid-19 Jornal da Unicamp, Campinas, 2 jul 2020. Disponível em: <https://www.unicamp. br/unicamp/ju/artigos/luiz-carlos-dias/os-institutos-de-pesquisas-e-universidades-publicas-brasileiras-no>.

Fonte: https://issuu.com/molde.cc/docs/00_book_revistaq_v10_72dpi_pages_copy/s/15506491

818 432 IQU-Suporte

Menu de acesso rápido IQ Unicamp

Bem-vindo ao menu de acesso rápido do IQ Unicamp.

Utilize os botões abaixo para acesso facilitado às principais áreas do website.